As leis da nutrição

A cada dia que passa vejo mais pessoas com medo de comer. Chega a ser triste e impressionante como a crença negativa sobre o alimento gera um impacto em nossa relação com a comida. 

Comer é um ato natural, inerente à vida.. mas nas últimas décadas tantas informações foram descobertas que realizar o mais básico parece difícil. Hoje trago à vocês as 4 leis da Nutrição que norteiam todo o trabalho do nutricionista mas que sobretudo podem ser aplicadas por você mesmo em casa: 

  • Lei da Quantidade

A quantidade do que se come deve ser suficiente para lhe conferir saciedade. Dessa forma, as porções devem ser apropriadas. Se a fome está menor, a quantidade também deve ser. Sobretudo, as refeições podem ser fracionadas, de acordo com o ritmo de vida e necessidade do indivíduo. 

  • Lei da Qualidade

A qualidade do que se come é fundamental para a saúde dos órgãos internos. Os macro e micronutrientes presentes nos alimentos contribuem com o funcionamento do organismo e além de tudo, uma refeição de qualidade normalmente é pautada pela variedade e pelo prazer que contribui para a boa alimentação. 

  • Lei da Harmonia

A harmonia do prato deve levar em consideração diferentes categorias de alimentos. É necessário equilibrar e balancear os grupos alimentares como grãos e cereais, leguminosas e sementes, carnes, aves, peixes, ovos e até os líquidos se necessário. Além disso, contribui muito para o paladar se a refeição estiver fisicamente atrativa, colorida, fresca, com cheiro de comida e temperatura adequada ao prato servido. 

  • Lei da Adequação

A adequação é uma questão importante, trabalhada muito na prática clínica. A comida deve ser adequada à necessidade do indivíduo, considerando seu estado físico (doente ou saudável), condições econômicas, seu ritmo e estilo de vida. Sobretudo, a alimentação deve respeitar a cultura do indivíduo, incentivar o consumo de alimentos da região e promover hábitos alimentares que possam conferir saúde e longevidade. 

Observe sua necessidade e se precisar, conte com a gente! Conhecimento e autoconhecimento devem caminhar juntos para melhorar nossa relação com a comida. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat